Arterite de Células Gigantes

Arterite de Células Gigantes

Você já ouviu falar dessa doença?

A Arterite de Células Gigantes é uma vasculite que deve ter uma atenção especial devido ao fato de se tratar de uma doença séria, pois ela pode acometer a visão e levar à cegueira. As alterações acontecem em artérias médias e grandes, como a aorta e seus ramos. Na maioria das vezes, ela atinge pessoas mais idosas, sendo rara antes dos 50 anos de idade, e prefere o sexo feminino, cerca de 2,5 vezes mais chances de ter a doença do que os homens.

Sua ocorrência ainda é indefinida, mas existem dados que supõem que determinadas infecções bacterianas e virais podem causar um desequilíbrio no sistema imunológico e as células ativadas e proteínas produzidas respondem a eles agredindo a parede dos vasos arteriais, acarretando no aparecimento da doença. Isso não quer dizer que, pelo fato de haver infecções, a doença irá se desenvolver. É necessário ter informações genéticas para que isso ocorra.

As manifestações clínicas apresentadas pelos pacientes com arterite de células gigantes são, na maioria das vezes, dor de cabeça na região das têmporas, onde localizam-se as artérias temporais. Esse sintoma é tão frequente que essa patologia também pode ser chamada de Arterite Temporal. Além disso, a dor de cabeça pode aparecer na nuca e os pacientes podem se queixar de dor para mastigar alimentos ou para falar, decorrente da falta de oxigênio nos músculos da mandíbula – conhecida como “claudicação da mandíbula”.

O diagnóstico é feito por meio de exames físicos, queixas do paciente e exames de laboratório. Muitas vezes, é necessário fazer uma biópsia, que consiste em retirar um pedaço da artéria da têmpora para confirmar que existe inflamação na parede da artéria, sendo possível somente com a observação microscópica do fragmento do vaso.

Entre em contato com a Ultrarticular e agende a sua consulta.

Sem Comentários

Faça um Comentário